BeLive 2018: porque disparou a factura da festa da juventude da Trofa?

por João Mendes 0

Façamos um rápido resumo: em 2014, o primeiro Belive custou aos cofres públicos a soma de 37.000,00€. Em 2015, a factura subiu quase 4 mil euros, para os 40.940,00€, algo que pode ser explicado pela adição de um quarto cabeça-de-cartaz. Já em 2016, o custo da Festa da Juventude regista uma subida residual, para os 41.501,00€. Em 2017, ano de eleições e em que, naturalmente, a procura dispara e os custos também, o certame ficou pelos 43.956,00€, mais 2.500,00€ que no ano anterior. Até aqui, tudo normal.

Contudo, este ano assistimos a uma subida vertiginosa do orçamento do BeLive, que passa dos 43.956,00€ para os 52.126,00€. Uma subida de mais de 8 mil euros, no meu entender difícil de explicar. Difícil de explicar, em primeiro lugar, porque a rúbrica que mais pesa no orçamento, e que diz respeito à contratação dos cabeças-de-cartaz, mantém o mesmo número de artistas. Em segundo lugar, porque o valor de mercado dos artistas de 2017, quando comparado com o dos de 2018, é muito semelhante, motivo pelo qual dificilmente se justifica tão acentuada subida. Em terceiro lugar, o aumento da procura gerado pelo efeito das eleições autárquicas não se verifica em 2018, ao contrário daquilo que sucedeu em 2017. Em quarto, e último, porque o aumento da oferta de espectáculos e actividades de custo acrescido não se verifica.

Porque será que o custo do BeLive aumentou desta forma? Eu não sei e, presumo, a esmagadora maioria dos leitores também não. Mas a verdade é que o aumento é claramente desproporcional quando comparado com anos anteriores, principalmente com um ano de eleições como foi 2017. Não havendo grandes alterações a nível da estrutura, do alinhamento ou dos diferentes espectáculos oferecidos por esta grande festa, este aumento do custo é difícil de explicar. Será que a organização nos reservou uma grande e inesperada surpresa? Ou estará o nosso executivo camarário a esbanjar desnecessariamente, como tantas vezes faz, para gáudio dos cofres da Gabba Produções? 

Se a ideia é esbanjar, luxo a que este executivo se pode dar por diferentes factores, sejam eles o clima económico favorável a nível nacional ou a violenta colecta de impostos municipais que todos conhecemos bem demais, talvez fosse um bom momento para responder positivamente a uma reivindicação da associação que integro, o Clube Slotcar da Trofa, que desde 2015 se bate para disponibilização dos autocarros camarários, com vista à criação de um sistema de transportes especial para os jovens que vivem nas restantes freguesias que não a de Bougado, onde o BeLive tem lugar. Infelizmente, continua a ser mais fácil – e barato – para um habitante de concelhos vizinhos, como Famalicão ou Porto, chegar ao BeLive, fruto do protocolo firmado entre a CM da Trofa e a CP. Não há dinheiro para autocarros para os jovens das freguesias limítrofes, mas não faltaram 8 mil euros para engrossar o ajuste directo do BeLive deste ano. Prioridades de um executivo para quem os jovens de Alvarelhos, Guidões e Muro, apenas para citar os casos mais graves, não são uma prioridade. 

 

Leituras recomendadas:

Belive 2014:

Respeitem os artistas da Trofa (12.07.2014 - hiperligação)

E agora, JSD Trofa? (13.07.2014 - hiperligação)

Uma antevisão da semana da juventude da Trofa (14.07.2014 - hiperligação)

A linha que separa as críticas construtivas do fundamentalismo partidário (21.07.2014 - hiperligação)

Precendente, resultado e legitimidade: estaremos prontos para dar o salto? (28.07.2014 - hiperligação)

Belive 2015

Apetece-me falar sobre o Belive. Será que posso? (16.07.2015 - hiperligação

Um ano depois, o Belive continua a não ser para todos (15.07.2015 - hiperligação)

Belive 2015: a crónica possível tentando não incomodar ninguém (22.07.2015 - hiperligação)

Belive 2016

Sobre o Belive 2016 (26.07.2016 - hiperligação)

Belive 2017

Sobre o Belive 2017 (20.07.2017 - hiperligação)

Belive 2018

Belive 2018: boas notícias que podiam ser muito melhores (12.06.2018 - hiperligação)

Belive 2018: sempre os mesmos (05.07.2018 - hiperligação)

Belive: o estranho caso da organização de 2016 (12.07.2018 - hiperligação)

João Mendes

Radicalmente contra todas as formas de instrumentalização dos recursos públicos em função dos apetites partidários e com um apetite insaciável pela desconstrução de mentiras e outros embustes que nos são diariamente oferecidos pelas elites dirigentes, a minha luta é por um concelho da Trofa mais transparente, mais íntegro e no sentido da evolução contínua, onde o poder cuja função é servir-nos pode e deve ser questionado. Das pessoas para as pessoas, sem medo nem clientelas.

Comentários

Deixar um comentário

Faça Login para comentar.