Houvesse vontade

por Pedro Amaro Santos 0

A Câmara Municipal da Trofa anunciou que “durante o período de exames e face à grande afluência dos estudantes” a Sala de Leitura da Biblioteca Municipal funcionará, até 17 de fevereiro, de segunda a sexta-feira das 10 horas às 20 horas.

Como manda o populismo fácil, alguns leitores já estarão a suspirar: “até isto os do contra criticam”. Pois bem, não gosto de desiludir expectativas e para isso cá estou. Com todas as letras, uso da minha capacidade de reflexão e deste espaço privilegiado para o acto de exercer a crítica. Exercício este que, muito embora possa ser tido como desfavorável ao criticado, pode e deve também ser entendido como uma análise ou uma apreciação generosa de quem tem vontade de contribuir no desenvolvimento da (NOSSA) Trofa, neste caso. Então para isso, cá estou eu, os meus companheiros e todos os cidadãos que bem o entenderem fazer.

Vejamos então. A Juventude Socialista da Trofa, no seu facebook, anunciou a defesa do alargamento do horário durante a época de exames. Mais do que anunciar, espero que tenham feito chegar a proposta às devidas mãos. De qualquer das formas, a coisa parece que chegou onde devia. Passados uns dias, o magote de gente que às seis da tarde se via obrigada a deslocar o seu estudo para qualquer café da cidade, pode agora prolongar-se até à hora de jantar. Pelos vistos, a democracia pluripartidária consegue ouvir outras cores, as juventudes partidárias conseguem defender as propostas para os mais jovens e as instituições autárquicas conseguem dar resposta sem burocracias. Que mundo perfeito. Quase que acredito que o Rio Ave voltou a estar limpo.

Como disse, não venho aqui malhar numa medida que é óbviamente boa para os jovens trofenses. Muito pelo contrário, venho congratular a vontade demonstrada em reagir a problemas como este. Estou honestamente contente por esta medida. Estamos todos satisfeitos e isso, embora não me permita recorrer a tão fáceis recursos de estilo, tem de ser dito neste espaço. Quero acreditar que é o momento de perceberem que no futuro a medida tem de ser acompanhada por um aumento do espaço existente.


Houvesse uma genuína vontade de trabalhar e poupavam-se tantos tiros de pólvora seca.

Comentários

  1. Amadeu Jose Bento Machado

    Porque tem sempre de haver um "HOUVESSE"??? Lembra-me a estória do dono do cão...

Deixar um comentário

Faça Login para comentar.