Crime ambiental na Expotrofa

por João Mendes 0

Estou extremamente curioso para conhecer a opinião de todos aqueles que, por estes dias, construíram um altar ao presidente da CM da Trofa pelo excelente trabalho realizado pelo vereador Renato Pinto Ribeiro na edição de 2016 do Be Live, pessoas que, no essencial, aproveitam qualquer oportunidade para levar o cabo o culto do personalidade, uma daquelas heranças das ditaduras fascistas e comunistas que os populistas e os lambe-botas não deixam cair em desuso. O que terá achado o clube de fãs do humbertismo sobre o crime ambiental cometido na Expotrofa, denunciado pelo cidadão trofense Amaro Silva ao jornal O Notícias da Trofa? Será que, uma vez mais, o vulto de Sérgio Humberto se sobrepõe a tudo e a todos, como se trabalhasse sozinho, transformando-se assim no responsável máximo pela situação vergonhosa e terceiro-mundista detectada num dos maiores eventos realizados no nosso concelho?

As imagens são claras e não deixam margem para interpretações subjectivas. Durante o período em que decorreu a Expotrofa, algumas casas-de-banho portáteis que serviam quem por ali passava despejaram todo o tipo de dejectos directamente para o ribeiro de Paradela. Um tubo ligado às referidas casas-de-banho, coberto com um pano preto de vergonha e devidamente protegido por uma grade do município fez a ligação directa entre o fluxo de porcaria e o curso de água. Pela lógica da malta do culto da personalidade, o responsável só pode ser o presidente Sérgio Humberto.

Só que não. Até porque nem a organização do evento está sob sua alçada, nem a pasta do Ambiente é da responsabilidade do edil, por muito que alguns vejam nele a origem e a razão para todas as coisas. Mas importa saber quem autorizou a montagem deste autêntico esgoto a céu aberto e, caso não tenha sido autorizado, que tipo de supervisão foi levada a cabo que permitiu que esta violação ambiental tenha passado incólume. Duas questões que importa esclarecer e que enderecei via email ao vereador Renato Pinto Ribeiro, minutos antes de publicar este texto. Deixo-vos com as imagens da vergonha. O futuro não passa por ali. 

Fotos de Amaro Silva@O Notícias da Trofa

João Mendes

Radicalmente contra todas as formas de instrumentalização dos recursos públicos em função dos apetites partidários e com um apetite insaciável pela desconstrução de mentiras e outros embustes que nos são diariamente oferecidos pelas elites dirigentes, a minha luta é por um concelho da Trofa mais transparente, mais íntegro e no sentido da evolução contínua, onde o poder cuja função é servir-nos pode e deve ser questionado. Das pessoas para as pessoas, sem medo nem clientelas.

Comentários

Deixar um comentário

Faça Login para comentar.