Cheira a esturro, não cheira?

por João Mendes 0

Por estes dias, as tão aguardadas correcções junto à recém-inaugurada obra de união dos parques começaram a ganhar forma. Refiro-me, é claro, ao muro que contorna o parque junto à rotunda do Catulo e às várias crateras que cresceram e se multiplicaram entre a dita rotunda e o prédio do antigo Dália, que durante largos meses fizeram as delícias dos automobilistas que todos os dias por ali passam.

A obra, a cargo da empresa Edilages, S.A., terá um custo final de aproximadamente 74 mil euros para os cofres do nosso concelho. Trata-se de um custo que poderia ter sido evitado caso a obra tivesse sido devidamente executada, algo que todos os trofenses sabem que não foi o que aconteceu. Assim sendo, importa esclarecer algumas questões, que me parecem de absoluta pertinência e que acabei de remeter para o presidente da CM da Trofa por email, visto ser a seu cargo que está o pelouro das obras públicas:

  1. Porque estamos nós, trofenses, a pagar pelo arranjo de uma estrada que já nasceu mal construída? Será dos trofenses a responsabilidade pelas deficiências de uma obra paga e adjudicada a uma empresa privada? Porque não assumiu a dita empresa os custos deste arranjo?
  2. Quem foram os técnicos da CM da Trofa que acompanharam o projecto, que tipo de supervisão levaram a cabo e, sendo técnicos especializados, como é possível que não tenham detectado e alertado os responsáveis políticos para o problema?

Nada disto é público e, suspeito, algo haverá aqui de transversal ao anterior e ao actual executivo para que a habitual troca de galhardetes não tenha ainda dado o ar da sua graça. Ou, quem sabe, estarão a aguardar o calor da batalha eleitoral que se avizinha. O silêncio mútuo sobre a origem e responsabilidade do problema parece indicar que tenhamos aqui vários responsáveis envolvidos ou, quem sabe, um interesse comum em proteger algum incompetente/irresponsável poderoso demais para ser crucificado em praça pública, como os nossos políticos tanto gostam de fazer. Nem um perfilzito falso no Facebook, nem um daqueles panfletos anónimos com origem em sedes partidárias. Nada. Cheira a esturro, não cheira?

Foto@Facebook CM da Trofa

João Mendes

Radicalmente contra todas as formas de instrumentalização dos recursos públicos em função dos apetites partidários e com um apetite insaciável pela desconstrução de mentiras e outros embustes que nos são diariamente oferecidos pelas elites dirigentes, a minha luta é por um concelho da Trofa mais transparente, mais íntegro e no sentido da evolução contínua, onde o poder cuja função é servir-nos pode e deve ser questionado. Das pessoas para as pessoas, sem medo nem clientelas.

Comentários

Deixar um comentário

Faça Login para comentar.