Oposição socialista discriminada no site da CM da Trofa

por João Mendes 0

Numa recente visita ao site da CM da Trofa, em busca de uma fotografia para ilustrar um texto, dei por mim na secção dedicada a dar a conhecer aos trofenses os elementos que constituem o executivo camarário. Comecei a “desfolhar” a lista e fui lendo os perfis do presidente e restantes vereadores. Quando cheguei aos vereadores socialistas, percebi que os seus perfis consistiam num curto e grosso “sem pelouro”, sem direito a qualquer tipo de nota biográfica, fotografia catita com bandeiras ou ilustração no canto superior direito.

À primeira vista, diria que estamos perante uma clara discriminação dos vereadores socialistas que, gostemos ou não deles, têm a mesma legitimidade e percursos profissionais e políticos no mínimo ao nível dos seus pares do PSD e CDS-PP. Joana Lima foi autarca, deputada e desempenhou diferentes funções partidárias. Teresa Fernandes foi vereadora e recentemente reeleita presidente do Departamento Nacional de Mulheres Socialistas. Magalhães Moreira tem um extenso currículo no Montepio, onde desempenhou diversos cargos até chegar a Director-Adjunto da Direcção de Empesas a nível nacional, para além do cargo de vereador que exerce desde 2009. Contudo, os percursos dos três vereadores do PS não foram considerados. O site da CM da Trofa, na versão do regime “humbertista”, ignora o percurso dos seus opositores. Apaga-os da história.

Claro que nada disto surpreende. Estamos a falar de um executivo comandado por alguém que acusou os seus antecessores de dirigir uma ditadura, algo que para mim só tem explicação à luz da ignorância ou da imbecilidade. Ignorância no caso de não saber o que é uma ditadura, algo que me parece integrar os mínimos de cultura geral para quem ocupa o cargo, e imbecilidade na eventualidade de saber o que é e ainda assim fazer uma comparação tão ridícula, que desrespeita as vítimas da ditadura e insulta a memória colectiva dos portugueses. Algo que, vindo de alguém que se tem esforçado por pressionar e boicotar o trabalho da imprensa local, não deixa de ser irónico e hilariante.

Seria a meu ver importante, do ponto de vista do respeito institucional e da dignidade das funções em causa, que todos os vereadores fossem tratados de igual forma. Afinal de contas, o site da CM da Trofa não é do PSD nem do CDS-PP. É da Trofa. Sim, eu sei que já tivemos episódios no passado em que o autarca trofense usou instrumentos de comunicação da autarquia em benefício próprio, com vista a promover a sua imagem. Mas estes instrumentos, sejam o site ou o Facebook da CM da Trofa, são do concelho, portanto de todos nós e não daqueles que quem governa decide que sejam. Quem irá o poder político local discriminar a seguir?

Foto@O Notícias da Trofa

João Mendes

Radicalmente contra todas as formas de instrumentalização dos recursos públicos em função dos apetites partidários e com um apetite insaciável pela desconstrução de mentiras e outros embustes que nos são diariamente oferecidos pelas elites dirigentes, a minha luta é por um concelho da Trofa mais transparente, mais íntegro e no sentido da evolução contínua, onde o poder cuja função é servir-nos pode e deve ser questionado. Das pessoas para as pessoas, sem medo nem clientelas.

Comentários

Deixar um comentário

Faça Login para comentar.