7º - Finalmente a Comissão Promotora do Concelho da Trofa teve uma sede

por José Maria Moreira da Silva 0

É meu desejo que as palavras colocadas nas Crónicas publicadas no “…e a Trofa é minha” sejam uma contribuição para uma melhor compreensão de todo o processo da criação do Concelho da Trofa, com as diversas peripécias que surgiram ao longo do tempo e que muitas delas aqui são narradas. Fizemos História e aqui são colocados uns bons «nacos» dessa História.

A Comissão Promotora do Concelho da Trofa, que «nasceu» em 1990 tinha que desenvolver diversos trabalhos e não tinha qualquer instalação digna para o efeito. Para não falar das reuniões com entidades ou pessoas, que poderiam estar envolvidas no processo e até pudessem ajudar à criação do Concelho da Trofa.

Sem uma sede, a Comissão Promotora andou durante anos em «bolandas», de freguesia em freguesia, em salas cedidas pelas Juntas de Freguesia, mas apenas para as suas reuniões. E com tantas e tão boas instalações particulares e até em edifícios sede de Juntas de Freguesia, principalmente localizadas na Vila da Trofa, só que ninguém tinha a coragem de ceder instalações para a sede da Comissão Promotora, pois o medo de retaliação, por parte do poder municipal de Santo Tirso era muito. 

No dia 23 de fevereiro de 1996, numa reunião efetuada na Junta de Freguesia de Alvarelhos, que tinha umas instalações bastante acanhadas, foi apresentada uma proposta, por José Maria Moreira da Silva, para a Comissão Promotora ter uma sede digna desse nome. A autarquia do Muro cedia as instalações para esse efeito, no edifício sede da Junta de Freguesia do Muro, assim como todo o apoio administrativo e de secretariado. Esta proposta foi recebida de imediato com júbilo e foi aprovada por unanimidade.

A sede ficou muito bem localizada, à face da Estrada Nacional 14, num edifício muito bonito e, em termos geográficos, estrategicamente bem localizado, inclusive fazendo fronteira com a Vila do Coronado, cujas freguesias ainda não tinham aderido à criação do Concelho da Trofa. Eram as únicas freguesias que ainda estavam fora do processo e até criaram o grupo «Pensar Maia», que mais não era do que uma «manobra de diversão» com o intuito de desviar a atenção de que estava a ser criada uma dinâmica de vitória, para a criação do Concelho. Se já era difícil a criação de novos Concelhos, como mais adiante narraremos, muito mais difícil era retirar freguesias de um concelho (Santo Tirso) e serem anexadas noutro concelho já existente (Maia). Não havia legislação para esse tipo de alteração.

O importante é que, finalmente, a Comissão Promotora do Concelho da Trofa teve a sua sede, bastante digna, que significou um sacrifício para os murenses, pois sofreram uma retaliação, pelo poder municipal de Santo Tirso, que não mais fez obras na Freguesia do Muro. Foi um ato que tinha sido bem ponderado pelos autarcas murenses, mas foi claramente um ato de coragem, que teve o significado de acreditar na criação do Concelho da Trofa. Valeu a pena!

A inauguração oficial da sede da Comissão Promotora ficou marcada para o dia 13 de julho de 1996. E foi um sucesso, para a continuação da dinâmica de vitória, como será descrito na próxima Crónica. 

José Maria Moreira da Silva

A liberdade é muito mais que uma simples escolha; ela alimenta os sonhos dos que não têm medo ou preguiça de sonhar. É a possibilidade de usar a razão, em concordância com o nosso pensamento.

Quero aproveitar este espaço de liberdade, para ser livremente livre naquilo que penso e escrevo, sem qualquer tipo de medos ou amarras.

Comentários

Deixar um comentário

Faça Login para comentar.