6º - As eleições autárquicas de 1993, a adesão da Freguesia do Muro e a dinâmica de vitória

por José Maria Moreira da Silva 0

O primeiro passo político-administrativo da Comissão Promotora do Concelho da Trofa, junto do poder legislativo foi a entrega na Assembleia da República, em 15 de julho de 1992, da primeira Petição, para a criação do Concelho da Trofa.

Mas o processo da criação do Concelho da Trofa, ainda estava muito «coxo». Faltava a adesão de freguesias, para o processo ficar completo. Várias dezenas de Petições idênticas à da Trofa já tinham dado entrada na Assembleia da República. A Trofa precisava de fazer muito mais do que entregar Petições, sem a «força» política da adesão popular!

Em julho de 1993, Trofa foi elevada a cidade e em dezembro do mesmo ano houve eleições autárquicas. Os níveis de ansiedade eram muito grandes, para ver o que se passava nas 3 freguesias que não tinham aderido: Muro, S. Mamede do Coronado e S. Romão do Coronado. Infelizmente, nas freguesias do Vale do Coronado (S. Mamede e S. Romão) os elementos eleitos foram os mesmos e decidiram manter a mesma posição dúbia (S. Romão) e oposição (S. Mamede), quanto à criação do Concelho da Trofa.

Com as eleições de 1993, a Comissão Promotora foi-se alargando, com os novos autarcas que tinham sido eleitos para o cargo de Presidente de Junta ou Presidente da Assembleia, das freguesias que já tinham aderido ao processo, mantendo-se também os anteriores, por direito adquirido.

Foi o que se passou em Bougado, cuja Junta de Freguesia deixou de ser gerida por socialistas e passou a ser presidida pelo social-democrata Manuel Ramalho, assim como a Assembleia de Freguesia, que passou a ser presidida pelo também social-democrata Daniel de Figueiredo, tendo-se também mantido os anteriores autarcas, na Comissão Promotora.

Em S. Martinho de Bougado, embora continuasse a ser gerida por socialistas, a Junta de Freguesia começou a ser presidida por José Sá e a Assembleia de Freguesia continuou a ser presidida pelo também socialista Pedro Alves da Costa. Na Junta de Freguesia de Guidões foi o PS que ganhou as eleições, sendo Bernardino Maia eleito Presidente da Junta de Freguesia e Aires Ferreira o Presidente da Assembleia de Freguesia.

Na freguesia do Muro verificou-se uma profunda alteração, pois as eleições foram ganhas pelo MIM – Movimento Independente do Muro, que se tinha apresentado ao eleitorado com um programa eleitoral bastante inovador e derrotou os autarcas socialistas que não tinham aderido à criação do Concelho da Trofa. O MIM foi encabeçado por José Maria Moreira da Silva, que se veio a tornar o novo Presidente da Junta de Freguesia do Muro. Para a Assembleia de Freguesia, o MIM apresentou Manuel Assunção Maia

A Comissão Promotora foi alargada para 24 elementos, pois também entraram por direito próprio, os novos autarcas mencionados. Em finais de 1995, a Assembleia de Freguesia do Muro votou favoravelmente uma proposta que indicava a adesão ao processo de criação do Concelho da Trofa.

A alteração política verificada na Freguesia de S. Cristóvão do Muro veio a constituir um fator primordial e extraordinariamente importante, não só pela adesão à causa nobre da criação do Concelho da Trofa, mas por ter conseguido dar dignidade à Comissão Promotora e ajudar a criar uma dinâmica de vitória, como será narrado na próxima Crónica.

José Maria Moreira da Silva

A liberdade é muito mais que uma simples escolha; ela alimenta os sonhos dos que não têm medo ou preguiça de sonhar. É a possibilidade de usar a razão, em concordância com o nosso pensamento.

Quero aproveitar este espaço de liberdade, para ser livremente livre naquilo que penso e escrevo, sem qualquer tipo de medos ou amarras.

Comentários

Deixar um comentário

Faça Login para comentar.