Evolução, será ?

por Luís Ferreira Gomes 0

Estou, Inácio?

- Sim, tudo bem !!!

Está tudo, quando vens à Trofa?

- Já nem me lembro do caminho, responde Inácio ao mesmo tempo que dá uma gargalhada, mas vou aí no sábado (“Inácio viveu na Trofa alguns anos, trabalhava no Porto e fazia todos os dias a viagem da Trofa–Porto–Trofa no comboio da via estreita).

O sábado chegou e Inácio lá foi para a outrora estação da “Avenida de França”, espantado com a nova estação do metro lá comprou o bilhete “Andante” para a Trofa, depois de algumas explicações dados por um colaborador do metro e de ter validado o seu titulo lá começou a sua viagem, foi admirando todas as alterações que lhe foram surgindo ao longo do percurso que conhecia como a palma da sua mão em outros tempos.

A passagem na cidade da Maia era uma completa novidade no seu percurso, até parecia que lhe estavam a fazer uma visita pela cidade, só foi mesmo pena não o terem levado ao jardim zoológico (hihihi)

“A esta hora devem estar vocês a pensar, mas porque raio esta foto e este título para um texto destes, não se preocupem desfrutem da viagem e lá mais para diante vão perceber”

Inácio passou por cima da auto-estrada junto ao Jumbo ao mesmo tempo que admirava a sua companheira da frente que lhe despertava a atenção mesmo sem ele a conhecer de lado nenhum, ia entretida na sua leitura, lia um livro chamado “Silêncio Poético de Helder Castro”, de facto o livro tinha mesmo a ver com aquele viagem tal era o silêncio que se fazia sentir naquela carruagem, e poética era mesmo o que parecia esta viagem para ele. O metro parou numa estação e quando todos (os poucos que lá iam) se levantaram, Inácio perguntou á menina que entretanto tinha guardado o seu livro.

- Desculpe, chegamos à Trofa

Ela respondeu, não !!!, mas agora a viagem prossegue de camioneta. Que chatice para Inácio que não gostava nada de andar de camioneta porque enjoava um pouco, apanhou a camioneta e para se distrair enquanto a viagem prosseguia foi para o seu tablet ler algumas noticias em alguns sites que costumava frequentar, despertou-lhe a atenção o titulo “ROBÔS SEXUAIS ESTÃO SENDO FEITOS PARA SUBSTITUIR OS HOMENS ATÉ 2025”, esboçou um sorriso e virando-se para a menina que agora se sentava ao seu lado disse – Olhe só para este artigo, acha isto possível? Ela olhando para o que ele estava lendo respondeu:

- Sim tudo é possível, o mundo está em constante evolução.

Como ela voltou a ler o seu livro, Inácio leu mais atentamente todo o artigo e ficou a pensar, como seria possível ? O que seria dos homens ? Prosseguiu a viagem e depois de muito tempo no transito lá chegou o autocarro aquele jardim que era cortado pelo comboio em que ele viajava. Foi até ao á pastelaria onde outrora ia muito frequentemente e enquanto bebia um café e comia um bolo ligou para o Pedro.

- Estou Pedro, cheguei á Trofa por onde andas?

Pedro respondeu, vou agora tomar um café, onde estas?

Estou no café em frente ao jardim, onde tomávamos café à noite quando vivia cá.

- Ok, respondeu o Pedro, vou aí ter.

Já no café Pedro pergunta a Inácio, então como correu a viagem, e ele respondeu:

- Então o metro ficou pelo caminho, não devia ter chegado cá? O mundo está mesmo todo marado, na viagem para cá li um artigo que me faz pensar que está tudo errado, o comboio era fão fixe, o metro tornou os 25 minutos em quase 1 hora e 45 minutos , e com um pouco de jeito em 2025 somos substituídos por robôs, mas eles não devem achar tudo isto estranho.

E a conversa continuou … 

Comentários

Deixar um comentário

Faça Login para comentar.