Não são 70 mil euros senhor presidente. A inauguração da obra dos parques custou 119.474,28€

por João Mendes 0

Na última Assembleia Municipal, o presidente da Câmara Municipal da Trofa voltou a brindar-nos com um daqueles momentos para mais tarde recordar. Interpelado pelo militante do PS Daniel Lourenço no período de intervenção do público, que lhe colocou algumas questões, referindo uma verba de 100 mil euros alocada à inauguração da obra de requalificação dos parques, o autarca trofense afirmou que o socialista estava enganado e sublinhou a existência de "apenas" 70 mil euros para acções imateriais relacionadas com a inauguração dos parques.

Ou muito me engano, ou nenhum dos dois acertou nos valores. Isto porque, e estou apenas a considerar os valores dos ajustes directos que são conhecidos e sobre os quais escrevi neste espaço a 7 de Maio deste ano, directamente relacionados com a inauguração desta obra foram gastos 119.474,28€, divididos por dois contractos adjudicados a duas empresas do mesmo proprietário, assunto sobre o qual escrevi no jornal O Notícias da Trofa a 19 de Dezembro de 2014.

Mesmo que retirássemos o IVA ao valor referido, o que o aproximaria bastante ao montante referido por Daniel Lourenço, este ficaria ainda assim muito acima do referido por Sérgio Humberto, situando-se nos 97.133,56€. Não se tratam de trocos, estamos a falar de um acréscimo muito próximo dos 30 mil euros. O valor, para informação do caro leitor, divide-se em duas parcelas. A primeira, 67.821,06 (83.419,90€ caso lhe acrescentemos o valor do IVA), diz respeito “AQUISIÇÃO DE SERVIÇOS DE ORGANIZAÇÃO DOS ESPETÁCULOS DE INAUGURAÇÃO DOS PARQUES NOSSA SENHORA DAS DORES E DR. LIMA CARNEIRO”. A segunda, de menor valor, totalizando 29.312,50€ (36.054,38€ caso lhe acrescentemos o valor do IVA), refere-se à “AQUISIÇÃO DE SERVIÇOS DE PUBLICIDADE E DIVULGAÇÃO DOS EVENTOS DE INAUGURAÇÃO DO PARQUE NOSSA SENHORA DAS DORES E DR. LIMA CARNEIRO”. Portanto um ajuste directo para organização dos espectáculos de inauguração da obra e outro para a publicidade e divulgação dos mesmos. Caberiam ambos no mesmo contrato? Se calhar cabiam, mas não era a mesma coisa. Obrigava a abertura de um concurso público que poderia impedir a coincidência que foi ambos os contractos terem ido parar as mãos da mesma pessoa.

Num tom que soa a gozo, que na minha opinião desrespeita a Assembleia Municipal e o interveniente, o autarca teve a coragem de misturar a vida pessoal de Daniel Lourenço no assunto que não só não lhe diz respeito como não era para ali chamado, e disse o seguinte:

 Vou dizer-lhe outra coisa senhor Daniel (Lourenço), que se calhar às vezes, se calhar deve andar desinformado. Mas tem tempo para andar informado, agora até nem trabalha, e portanto tem tempo para andar informado.

Todos temos tempo para andar informados. Não somos é obrigados a tal e compete ao presidente da CM da Trofa responder de forma respeitosa aos munícipes que o interpelam. Invocar a situação de desemprego de Daniel Lourenço em tom paternalista é baixo e não dignifica o cargo que ocupa ou a Assembleia Municipal. Principalmente quando minutos depois aparenta estar, ele próprio, mal informado. Ou será que fugiu deliberadamente à verdade?

Foto: O Notícias da Trofa

João Mendes

Radicalmente contra todas as formas de instrumentalização dos recursos públicos em função dos apetites partidários e com um apetite insaciável pela desconstrução de mentiras e outros embustes que nos são diariamente oferecidos pelas elites dirigentes, a minha luta é por um concelho da Trofa mais transparente, mais íntegro e no sentido da evolução contínua, onde o poder cuja função é servir-nos pode e deve ser questionado. Das pessoas para as pessoas, sem medo nem clientelas.

Comentários

Deixar um comentário

Faça Login para comentar.