Dedicar um pouco mais de mim à Trofa

por Diogo André Costa 0

Quero agradecer desde já ao meu amigo João Mendes e ao meu tio João Pedro Costa, pelo convite para integrar esta grande equipa. Aceitei este grande desafio, não de ânimo leve, porque um projeto como este traz muitas responsabilidades, principalmente sendo eu o mais novo da equipa, com 21 anos.

Irei colaborar principalmente com fotografias e tentarei recuperar e mostrar parte do passado, que é o nosso passado e nosso património, mesmo que apenas em fotografias. Aproveitarei também para mostrar o que há de mais belo na nossa terra nos dias de hoje. Muita gente diz que na Trofa não há nada e eu tentarei provar o contrário, ao mostrar vários pontos de vista do nosso concelho.

Para o meu objetivo ser possível, irei usar como fonte principal um grupo no facebook, que descobri há pouco tempo, com o nome " TROFA - uma história em fotografias". É fantástica a partilha que lá se faz, entre fotógrafos e amadores que apreciam fotografia. 

Dando, agora, a conhecer um pouco de mim, em 1994, nasci em Santo Tirso e desde aí vivi e fui criado em Finzes, a maior aldeia da freguesia de São Martinho de Bougado, na Trofa. Sou trabalhador estudante e estudo na área de Multimédia, devido a ser apaixonado por tudo o que seja design, fotografia, vídeo, web e tudo o que seja tecnologia.

Sou um cidadão ativo, pois considero que todos devemos dar de nós aos outros sem esperar nada em troca. Pertenço a diversos movimentos associativos, como à direção  do Clube Slotcar da Trofa, ao Grupo de Jovens C'a Fé e ainda sou catequista da infância na Paróquia de São Martinho de Bougado, Trofa.

Não posso deixar de agradecer todo o apoio que a minha família me dá, estando sempre presente e apoiando as minhas decisões. Obrigado pai e mãe pela educação que me deram e me continuam a dar. Foram vocês que me ensinaram o que são as coisas simples, mas, ao mesmo tempo, essenciais como sinceridade, honestidade, lutar pelo que quero e sobretudo o que é o amor. Sem vocês não seria o que sou hoje. Marta, maninha, apesar de nos desentendermos como quaisquer irmãos, estás sempre pronta a ajudar-me e a apoiar-me. Não há explicação para todo o vosso carinho, só sentindo.

Eu vou fazer a minha parte e dedicar um pouco de mim à minha terra.

A Trofa é de quem nela acredita, mora e trabalha, de quem luta por ela.
E a Trofa é minha e a Trofa é nossa!

Comentários

  1. marcia ferreira

    Óptima aquisição acrescento ainda um rapaz muito inteligente! Beijinhos

Deixar um comentário

Faça Login para comentar.