Ficava-lhe bem pedir desculpa senhor presidente

por João Mendes 0

O silêncio quase absoluto dos apoiantes e militantes dos partidos da coligação que governa a Trofa parece-me ser ilustrativo do mau estar causado pelo episódio de censura e violação da liberdade de expressão protagonizado pelo presidente da Câmara Municipal da Trofa na passada Segunda-feira, dia 12, na apresentação pública da extensão do metro do Porto para a Trofa. Mas o silêncio que mais me tem espantado é o do próprio autarca, que por esta altura já deveria, na minha opinião, ter apresentado um pedido de desculpas formal aos profissionais do Notícias da Trofa/TrofaTV alvo da sua atitude inadmissível.

É preocupante que um responsável eleito incorra neste tipo de abuso sem que consiga ter a humildade de o assumir e de se retractar pelo sucedido. Errar é humano, é certo, mas é expectável que quem ocupa tão elevado cargo tenha a capacidade de reconhecer as suas falhas. Assobiar para o lado e fazer de conta que nada se passou apenas contribui para tornar este caso ainda mais grave. As leis, tal como a democracia, existem para serem respeitadas. E quando o exemplo que vem de cima é este, algo de muito errado se passa.

Deixarei a questão do metro para uma outra ocasião mas fico com a sensação que, o facto de a história não nos ter sido bem contada, será um dos motivos por trás do nervosismo e da postura pouco ética do presidente Sérgio Humberto, que parecia preocupado em abafar a realidade dos factos. Independentemente de tudo isso, a absoluta violação da liberdade de imprensa e a arrogância que achar que falava em nome dos trofenses quando a levou a cabo seriam motivos mais que suficientes para um exame de consciência que permitisse ao autarca uma postura mais condizente com a posição que ocupa. Assumir um erro e saber humildemente pedir desculpa é uma demonstração de grandeza. Fazer de conta que este acto ilegal e anti-democrático não aconteceu é de uma pobreza des espírito gritante.

No rescaldo deste episódio vergonhoso, a Silvéria Miranda partilhou neste espaço um apontamento muito interessante quando referia que, em tempo de campanha, não bastavam as canetas e os outdoors com candidatos de ar sério. Existe uma gigantesca máquina de comunicação por trás de cada candidato, onde cada gesto e cada discurso são milimetricamente calculados. Uma vez no poder e sem rede, alguns políticos tendem a mostrar uma face que antes parecia não existir. Se Sérgio Humberto mantiver a sua “birra” e não apresentar um pedido de desculpas muito convincente aos lesados, toda a retórica eleitoral da humildade cai como um castelo de cartas ao vento. Políticos maiores caíram por erros menos graves. Será que o senhor presidente não se arrependeu daquilo que fez? Ficava-lhe bem pedir desculpa.

Foto@O Notícias da Trofa

João Mendes

Radicalmente contra todas as formas de instrumentalização dos recursos públicos em função dos apetites partidários e com um apetite insaciável pela desconstrução de mentiras e outros embustes que nos são diariamente oferecidos pelas elites dirigentes, a minha luta é por um concelho da Trofa mais transparente, mais íntegro e no sentido da evolução contínua, onde o poder cuja função é servir-nos pode e deve ser questionado. Das pessoas para as pessoas, sem medo nem clientelas.

Comentários

Deixar um comentário

Faça Login para comentar.