Clube Desportivo Trofense, e agora…?!

por João Pedro Costa 0

O mais emblemático clube do concelho da Trofa, nascido em 1930, e que conta com 85 anos de história, nossa paixão, dos nossos pais e avós, está a passar por uma crise sem precedentes! Desde a época de 2014/2015, num plano especial de revitalização (PER), onde lhe foi perdoado 60% das suas dívidas mas que, mesmo assim, ficou um passivo de cerca de 2,7 milhões de euros, o que o coloca numa situação de iminente insolvência, caso se registe mais algum incumprimento, deixam-no assim à mercê de “fechar portas”, a qualquer momento! A recente despromoção aos campeonatos amadores elevam as inquietações.

Dez anos de más gestões estratégicas, vivendo acima das possibilidades da terra que o sustenta, a Trofa, com a concretização de obras no estádio que nunca foram integralmente pagas e um sonho de jogar na primeira liga, que virou pesadelo, desonram a memória dos fundadores e de todos os que trabalharam para que fosse sempre um orgulho para todos os trofenses.

Nas minhas memórias, muitos jogos nos campeonatos regionais no velho pelado, a apresentação da primeira camioneta para transportar atletas, a subida aos campeonatos nacionais na época 83/84, a minha passagem como desportista (assim como da maioria dos rapazes do concelho), as “trofadas” de 93 e o diferendo com o “Varzim” que o levou à descida de divisão, o título da liga de honra de 2007/2008 e a ascensão à divisão máxima do futebol português. Tudo parece história e passado, que deixam o futuro de cerca de três centenas de atletas das suas camadas jovens, os menos culpados, e que estão à deriva quanto ao seu futuro desportivo, com uma herança que nenhum jovem merece.

Questiono de como foi possível terem sido “injetados” milhares de euros da Trofa e dos trofenses, ao longo dos últimos anos, sem que o controle estratégico fosse assegurado pelos executivos da Câmara Municipal da Trofa, que se reflete como péssima utilização de dinheiros públicos.

Além do mais, e porque não fujo da abordagem dos temas pela raiz, não querendo ser tomado por alguém que está para aqui a “dizer umas coisas”, em concreto refiro-me à verba de 135.000€ do contrato programa de “Apoio ao Associativismo Desportivo”, concedido pela Câmara Municipal da Trofa e celebrado em julho de 2014, mesmo quando o clube em risco de insolvência iminente, como aliás é do conhecimento de todos, e como tal, com reduzidíssima sustentabilidade e pouca garantia! O mesmo protocolo estava dividido em duas verbas:

a)      75.000€ para atividades regulares das camadas jovens. Ora, se dividirmos a verba por 300 jovens existentes nas camadas jovens, dá cerca de 250€ por atleta ao qual se junta mais outro tanto provenientes dos pais dos atletas, porque os atletas também pagam e, os trofenses sabem disso! Aliás, quanto mais pequeno é o atleta, mais paga!

b)      60.000€ para instalações de Paradela, umas e outras “obritas”, mas sobretudo o “aumento dos balneários e criação e apetrechamento de sala de estudos”. Quem lá vai sabe que a obra não está feita e a maquete que foi sendo exibida não passa de um sonho vendido às pessoas!



A Câmara Municipal da Trofa tem a obrigação fiscalizadora que lhe é consagrada por lei, mas que no protocolo celebrado, e ao qual me refiro, foram definidas obrigações conjuntas:

a)      “Manter o sistema de controlo e acompanhamento de execução do contrato-programa mediante reuniões mensais.”

b)      “Manter o acompanhamento das melhorias das instalações.”

c)      “Fazer o acompanhamento do desenvolvimento das modalidades desportivas para as CAMADAS JOVENS, mediante visitas semanais às atividades pelos responsáveis do desporto da autarquia.”

O que falhou?! É que o impacto nas populações é brutal, quando se fala de um investimento de 135.000€ por parte da Câmara Municipal, para o desenvolvimento estratégico do concelho da Trofa. Tal verba torna-se inadmissível, porque é obtida diretamente da altíssima carga de impostos, taxas e serviços que atualmente um residente, ou empresa da Trofa suportam e, onde tudo “está no máximo”, água que consumimos, IMI pelas habitações (0,5% sobre a avaliação dos imóveis), derrama nas empresas (1,5% sobre os lucros das sociedades), a que se somam outras mais! Em termos comparativos, a verba de 135.000€ é mais do que o orçamento anual da Junta de Freguesia do Muro que se cifra nos 80.000€ ou de Covelas nos 100.000€, facto pelo qual a referida verba ainda me deixa mais perplexo e impunha acrescido rigor, não só na estrutura à qual ela estava a ser entregue, mas também no rasto que essa verba leva.

Centrando-me novamente no que me interessa e porque este assunto diz respeito a todos os trofenses, com uma discussão clara e aberta, já que as reuniões secretas de soluções milagrosas e de investidores “das arábias” revelou-se uma treta, pouco abonatória ao interesse e independência que se exige ao Clube Desportivo Trofense, associação de interesse e utilidade pública.

Qual o futuro? Quem “pega”? Quem assegura o futuro dos jovens da formação? De que se espera para que renasça do zero, como outros o fizeram, em Portugal e noutros países? Afinal o exemplo está dado, é só copiar, porque não “C.D. Trofenses 1930”? Criar uma nova associação está ao alcance da vontade de uns tantos novos (re) fundadores, da elaboração de novos estatutos e míseros 300,00€ para despesas (processo Associação na Hora).

Espero que não haja a mesma “vontade política” que tem destruído a Trofa, mandatos atrás de mandatos conduzidos por opções inválidas e que penalizam todos os que amam esta terra.

Chega de frases feitas e plastificadas, como o recente “Orgulho trofense”, mas que mais não representa que uma Trofa de vaidades, de fotografias e de facebooks, como se todos fossemos estúpidos ou cordeiros alinhados dum qualquer partido político e não tivéssemos olhos para ver os concelhos vizinhos.  

Espero que os protagonistas estejam à altura dos mais altos interesses da Trofa, honrando os nossos antepassados e assegurando o bem-estar da comunidade. Estou e sempre estarei com o “Clube Desportivo Trofense”, fundado em 1930, clube da formação de homens e que carrega a bandeira da nossa terra, a Trofa.


Comentários

Deixar um comentário

Faça Login para comentar.