A insustentável negação socialista

por João Mendes 0

Foto@O Notícias da Trofa

No final de Abril, e em linha com um conjunto de actividades que tem vindo a desenvolver,a JS Trofa convidou o dirigente socialista Manuel Pizarro para dar a sua visão pessoal e do partido do qual é Secretário Nacional sobre a actual situação do Sistema Nacional de Saúde (SNS). Uma iniciativa interessante que só pecou pela apresentação de uma visão parcial do problema que hoje atinge o SNS e que, ao contrário daquilo que os socialistas tentam difundir, resulta de uma culpa partilhada entre eles e os seus pares sociais-democratas. E Manuel Pizarro, antigo secretário de Estado da Saúde, tem responsabilidades acrescidas no problema.

Foi particularmente interessante ver Manuel Pizarro falar sobre a incapacidade do centro de saúde do concelho para dar resposta às necessidades dos trofenses quando durante os 6 anos do governo do qual fez parte não mexeu uma palha que fosse para alterar essa situação. É verdade: as instalações do actual centro de saúde são insuficientes e inadequadas e, guess what, o PS esteve no poder a acabar com finanças públicas do país e nem por isso conseguiu mandar para cá uns milhões para resolver o problema, mesmo quando governo e a autarquia eram da mesma cor. Honra seja feita ao actual executivo que conseguiu finalmente desbloquear o processo e que criou condições para um avanço significativo na qualidade de vida dos trofenses.

Apesar de tudo, partilho da opinião do dirigente socialista quando este refere que o actual governo tem feito um óptimo trabalho a destruir o SNS. De resto dando continuidade ao trabalho anteriormente desenvolvido pelo PS. Casos recentes como o aumento de mortes nos hospitais, a falta de médicos de família ou as intermináveis listas de espera nos hospitais públicos contrastam com algum compadrio denunciado no que ao sector privado da saúde diz respeito. Mas falar de centralismo quando o governo do qual fez parte foi tão ou mais centralista que o actual chega a ser irónico. Pizarro devia ser mais honesto e recordar os socialistas que a machadada final na economia portuguesa foi dada por eles e se hoje falta dinheiro no SNS, apesar da história mal contada desta crise, a culpa também é do Partido Socialista.

O branqueamento do passado recente socialista levado a cabo pelos próprios socialistas que (des)governaram o barco chega a ser insultuoso. Compreendo que estejamos em período de pré-campanha mas tal não justifica a falta de decoro com que se insurgem contra a situação actual do país como se não fosse nada com eles. Talvez seja esta incapacidade de reconhecer o erro que os levará a ter o mesmo destino que o PASOK teve na Grécia, sendo remetidos para uns insignificantes 5% do eleitorado. Talvez aí tenham a humildade de olhar para dentro e reconstruir um partido que já foi um baluarte da democracia e que hoje não passa de uma falsa alternativa que pouco ou nada mudará no rumo actual do país.

João Mendes

Radicalmente contra todas as formas de instrumentalização dos recursos públicos em função dos apetites partidários e com um apetite insaciável pela desconstrução de mentiras e outros embustes que nos são diariamente oferecidos pelas elites dirigentes, a minha luta é por um concelho da Trofa mais transparente, mais íntegro e no sentido da evolução contínua, onde o poder cuja função é servir-nos pode e deve ser questionado. Das pessoas para as pessoas, sem medo nem clientelas.

Comentários

Deixar um comentário

Faça Login para comentar.