Caos rodoviário à porta da escola

por João Mendes 0

O E a Trofa é Minha recebeu por estes dias um alerta de uma leitora preocupada com a situação caótica que se gera diariamente nas imediações da zona da Escola Primária do Paranho/Colégio da Trofa. A foto em cima, tirada por Manuel Veloso no final de mais um dia de aulas é ilustrativa da situação descrita pela leitora. Este autêntico engarrafamento que se gera em hora de ponta, resultante do desvio por ali feito de forma a contornar as imensas obras que se arrastam no coração da cidade da Trofa pode colocar em causa a integridade física das crianças que frequentam aqueles estabelecimentos escolares. Não foi uma escolha inteligente.

Apesar de existir informação no sentido de esta situação estar já praticamente sanada, há alguns aspectos a ter em conta, quiçá para evitar erros de cálculo futuros. Em primeiro lugar, que os responsáveis públicos percebam que fazer um desvio por caminhos estreitos junto a duas escolas primárias e a um colégio não é boa ideia. Melhor: é uma ideia parva. É claro que aqui existe alguma culpa por parte de alguns pais, que não contentes em deixar as crianças à porta da escola, não arredam pé até que as crianças estejam sentadas na sala de aula, contribuindo também para o aumento do engarrafamento. E com tantos agentes da Polícia Municipal que ainda no outro dia estavam, por vezes em grupos de 6, a vigiar condutores junto à ponte sobre o Rio Ave, talvez fosse boa ideia deslocalizar para aquela zona alguns que fossem capazes de consciencializar os papás que só não entram de carro na escola porque não podem, ao mesmo tempo que aumentam o grau de segurança nas imediações, deixando encarregados de educação mais tranquilizados.

Voltando à questão do trânsito, existe outro aspecto a ter em conta: desviar camiões e autocarros para uma zona onde existem crianças com 7 ou 8 anos é perigoso. Principalmente numa zona em que as passadeiras não abundam e deviam. Era importante que o actual executivo tivesse este aspecto em conta sob pena do “orgulho trofense” sair lesado. É que um dia calha de uma destas crianças ser atropelada e “orgulho trofense” será a última coisa que os seus pais irão sentir. Se há dinheiro para arranjar o reservatório de água ali ao lado, com certeza que também haverá aumentar a segurança das nossas crianças.

Finalmente, e voltando ao post de ontem da Silvéria, seria importante que determinadas pessoas com protagonismo e responsabilidades políticas neste concelho perdessem menos tempo a discutir a vida privada dos seus adversários políticos e que focassem mais no essencial. Vejo muito falatório sobre carros fantasma, passarinhos e chupa-chupas mas sobre este problema e outros de igual importância não vejo nada. Tenham isto em consideração quando em 2017 recomeçar a “política de proximidade pré-eleitoral” a ver se depois das próximas Autárquicas não voltamos a ter mais do mesmo.

(foto cedida por Manuel Veloso)


João Mendes

Radicalmente contra todas as formas de instrumentalização dos recursos públicos em função dos apetites partidários e com um apetite insaciável pela desconstrução de mentiras e outros embustes que nos são diariamente oferecidos pelas elites dirigentes, a minha luta é por um concelho da Trofa mais transparente, mais íntegro e no sentido da evolução contínua, onde o poder cuja função é servir-nos pode e deve ser questionado. Das pessoas para as pessoas, sem medo nem clientelas.

Comentários

Deixar um comentário

Faça Login para comentar.